Vamos brincar de mímica?

|

13 de dezembro de 2010



Daqueles textos que acumularam poeira.

Eu apago as palavras atropeladas na garganta, todas aquelas que já não falo, e mergulho meus olhos de chocolate derretido nesses teus de piscina rasa e deixo que tudo que cala percorrer esse pequeno espaço que separa meu olhar do teu. Talvez os detalhes tenham se perdido na rotina sem regras que criamos, mas vê? eu não mais desvio os olhos, mesmo quando te sinto inteiro dentro de mim, querendo desvendar meus segredos ou só fazendo cócegas na alma, ruborizando uma face que aprendeu a disfarçar quando cora ou, talvez, seja só você, acostumado à minha micro timidez, que ainda não cessou por inteiro. São tantas as hipóteses, garoto. E não gosto muito de lidar com suposições, mas creio que, no fundo, sou apenas eu querendo nos manter à um hiato considerável da intimidade excessiva que, com o acostumar-se, acaba por evaporar algumas magias infantis minhas. Gosto disso, dessa sensação de primeira vez que você me causa. Disso, de nunca me cansar em te olhar, de estremecer com intensidades, de sorrir tímida sempre que me desfaço e me derreter com as mesmas palavras ditas, com os mesmos detalhes vistos todos os dias, com as lembranças ainda tão frescas e sempre memoráveis antes de dormir.

E nessa de sono, revelo com o corpo que me acostumei à tua presença do lado esquerdo da cama, visto que não mais me amontôo em meus sonhos silenciosos e respiração quase oculta, num não-se-mexer que durava noite inteira. Relaxei, moço. E sim, durmo melhor quando acompanhada do que quando estou sozinha e, apesar do sono pesado, não pense que não sei quando você escorrega pra fora da cama, abraçando a insônia presente no teu apartamento. A cama fica gelada e o vazio me cutuca incansavelmente, até que os cílios deixam de dar as mãos e eu fico olhando tua ausência, ressonando e recordando sonhos enquanto tu não volta. Num clique surdo da porta, as pálpebras escondem meus olhos atentos e sinto você deslizar no silêncio, tornando a aquecer os lençóis frios, relaxando meu corpo que volta à se entregar aos sonhos.

Eu te gosto um bocado, moço. E tento brincar de mímica o tempo todo, torcendo para que tu leias no meu corpo todas as palavras tatuadas, tudo aquilo que quero dizer, mas não digo — e você também não diz. E vamos levando assim, um “sendo-sem-ser” tão recheado de tranqüilidade, tão leve, tão flutuar de borboletas que deixo de sentir falta das tuas palavras poetas, pois passo a vê-las nos gestos novos, incluindo aqueles tão sem toques. E se te leio, inteiro, gostaria que você me visse também, tão tua. Toda. Tua.

dedilhado em um novembro doce.

comentários pelo facebook:

34 comentários:

  1. Otimo texto ^^ gostei muito.

    bjus =*

    ResponderExcluir
  2. "E nessa de sono, revelo com o corpo que me acostumei à tua presença do lado esquerdo da cama, visto que não mais me amontôo em meus sonhos silenciosos e respiração quase oculta, num não-se-mexer que durava noite inteira."

    No meu caso, lado direito.
    sigh..

    ResponderExcluir
  3. Os detalhes fazem toda e qualquer diferença! Amei
    Bejos

    ResponderExcluir
  4. Um texto feminino por que se diz ser. Mas, sobretudo, um texto sensível e tocante. Mais um né, dona moça!
    Tão lindo e humano e de verdade e forte, que não resisti. Roubei a frase mais bonita (e foi difícil escolher!) para ser MINHA FRASE DA VEZ!

    Boa semana, Maria Fernanda Probst.
    Deus abençoe tanto talento...

    ResponderExcluir
  5. Esse texto ficou bonito e tão cheio de verdades e desejos. Essa coisa de brincar de mímica é complemento, necessidade quando a gente vai vivendo nessa rotina suave e densa ao mesmo tempo.

    Fiquei encantada e me vi aos poucos.

    Beijo, Fê!

    ResponderExcluir
  6. li uma vez e ja achei lindo, mas foi só lendo de novo que entendi a mímica.. nunca fui muito boa com isso! hehe Beijo

    ResponderExcluir
  7. Menina, que texto mais lindo.
    Cada palavra tão especialmente escolhida... são raros textos assim na blogsfera.

    Simplesmente lindo!

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Me parece que você sofre tanto... às vezes me dá vontade de parar pra conversar contigo.

    ResponderExcluir
  9. textos antigos,são os mais bem lembrados.
    adorei (:

    ResponderExcluir
  10. Adorei. Despertou muitas emoções.
    Me faz me lembrar de um doce julho...
    Beijo

    ResponderExcluir
  11. Sabe esses textos escondidos no meio da poeira da saudade. Esses de tocar dentro da alma. É são esses moça... Que a gente guarda a vida toda no baú do coração.

    beijo, beijo

    ResponderExcluir
  12. fer, só umapergunta!
    como faz pra não conseguirem copiar os textos do blog?
    Eu fui no creativecommuns (é por aí),colokei o link no HTML do blog, mas dá pra copiar mesmo assim. Tem que fazer mais alguma coisa?

    ResponderExcluir
  13. oii fer, muito obrigada (:
    axo que conseguii siim

    bjooos, volto quando escrever de novo.

    ResponderExcluir
  14. Um novembro se escrevia docemente por aqui.

    bjs

    ResponderExcluir
  15. Adorei seu blog!
    Já estou seguindo!
    um lindo dia e um grande abraço pra ti!

    ResponderExcluir
  16. Espero que ele seja bom de interpretar gestos.
    Oh, Fer, te ler me faz um bem danado, sabia?

    Beijo doce. :*

    ResponderExcluir
  17. uuuuuuuuuuuuol! esse me arrepiou! juro!

    ja vive algo parecido, mas não me expressaria com palavras tão lindas !

    bjos flor

    ResponderExcluir
  18. A parte que mais gostei é quando você fala que os cílios deixaram de dar as mãos. É bem simples, mas é muito bom. Teu texto todo está incrível, tranquilamente poético.

    Beijo em ti,

    Charlie B.

    ResponderExcluir
  19. Talvez quando as mimicas foram entendidas e já não haja mistérios, o amor tenha escorregado entre os dedos...

    ResponderExcluir
  20. Flor tem um selinho pra ti lá no meu blog, só ver aqui
    http://personagemtraduzida.blogspot.com/2010/12/meus-primeiros-selinhos.html

    E adorei o texto! Boas festas (:

    xx

    ResponderExcluir
  21. Lindo! *-* Parabéns pelo o texto, viu? :)
    Tô te seguindo :D
    Boas festas!

    ResponderExcluir
  22. Lindo flor! Meus parabéns, um feliz natal e um ótimo ano novo. Beijos <3

    ResponderExcluir
  23. Saudade do buraco que você deixa na cama quando levanta de manhã.
    Bonito texto.

    ResponderExcluir
  24. Adoro suas palavras... desde sempre!

    ResponderExcluir
  25. Você anda sumida, moça :D

    E seu blog, pra variar, é como uma aula: de literatura e sentimento.

    ResponderExcluir
  26. Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo Agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Se tiveres tuiter, e desejar, é só deixar que agente segue.
    Um abraço e fique com DEUS.

    http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  27. Não conhecia o blog e posso dizer que foi o achado do domingo. Adorei o jeito como tu escreves. Um jeito simples e, ao mesmo tempo, intenso.
    Parabéns!

    =*

    ResponderExcluir
  28. Tua escrita é tão leve que se possível fosse eu flutuaria virtualmente.

    Lindo.

    ResponderExcluir
  29. Palavras, sempre atrás de umas palavras...

    ResponderExcluir
  30. Those who possession of to the standard faiths demand that the authority of their obedience rests on revelation, and that expos‚ is presupposed in the pages of books and accounts of miracles and wonders whose features is supernatural. But those of us who force desire discarded the belief in the supernatural quiescent are in the attendance of revelations which are the cellar of faith. We too entertain our revealed religion. We have looked upon the face of men and women that can be to us the symbols of that which is holy. We have heard words of religious wisdom and really viva voce in the vulnerable voice. Excuse of the milieu there have be involved a arise to us these experience which, when accepted, despair to us revelations, not of exceptional belief, but of a real and inevitable faith in the clerical powers that motivate and dwell in the center of [a person's] being.

    ResponderExcluir
  31. Como sempre: belíssimo texto...
    Me identifiquei bastante, aliais.
    Beijos =**

    ResponderExcluir
  32. Que texto mais lindo.
    "Sendo sem ser"
    Rótulos e nomes não são tão importantes quando há esse sentimento tão gostoso que vc conseguiu passar com suas palavras.

    ResponderExcluir