Letra de flor;

|

6 de maio de 2012

com a doce Ana Flávia, do Pratododia.

Peguei um livro, desses inacabados, esquecidos num canto qualquer do armário e me deparei com a tua caligrafia miúda “Para a menina bonita bordada de flor” e só, nem sequer inicial do teu nome. Folheei pra ver quão longe eu teria ido e vi, manchando as páginas, uma flor seca, gordinha de saudade. Aquela flor da cerejeira que caiu molhada de orvalho sobre meu colo na tarde da nossa despedida, lá na casa do campo. A cerejeira chorava suas flores enquanto eu te via já bem distante, indo embora, e ao mesmo tempo ficava ainda tão firme no meu peito, mantendo morada no meu coração. Como eu podia te amar tanto? Como eu podia te querer tanto? Fiquei ali, te vendo partir. Meus olhos secos como quem não se importa. A flor, guardei comigo. E estava ali, perdida naquelas linhas que tu me deste num verão sereno, naquelas linhas com sabor de café da manhã. E num dia frio como hoje, diferente de tudo de mais caloroso daquele dia de estação de sol, a memória me trai e te tira de dentro do armário empoeirado de lembranças. Como se num momento de distração você se achasse no direito de mostrar que a cerejeira continua no mesmo lugar e que a sombra dela ainda é pura ternura. Mas você quis levar seu coração e me deixar em troca essas linhas, desse livro que comprou por comprar, só pra deixar uma dedicatória de letra miúda e me chamar de sua flor.

comentários pelo facebook:

17 comentários:

  1. Aff, lindo de doer. Essas histórias de amores que se perdem me deixam pensativa.

    Lindo texto, parceria linda.

    Beijo, Fê!

    ResponderExcluir
  2. Boa noite! Lindo texto! Essa flor é como a lembrança que sempre se fará presente.

    Beijos.

    Lu

    ResponderExcluir
  3. Ola,
    Muitas vezes as lembranças vem à tona de forma surpreendente, assim como nesta flor!

    Adorei o texto!


    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
  4. Hei, muito lindo. De novo. Como sempre"

    ResponderExcluir
  5. e não é que a parceria rendeu uma cereja docinha, docinha?!
    Foi um enorme prazer pintar e bordar contigo, quero mais e mais!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  6. Pura ternura é esse seu texto, capaz de tirar do armário minha doçura que andou escondida o dia todo. Obrigada por tornar-me mais simplória!

    ResponderExcluir
  7. Como pode escrever tão lindo?!
    Ai ai...

    ResponderExcluir
  8. Quando guardamos alguém assim tão especial as lembranças nunca partem, as folhas nunca são levadas embora.

    Beijos, seguindo.

    http://luzia-medeiros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Não é que eu também me faço essas mesmas perguntas? =(

    ResponderExcluir
  10. Palavras que acolho em meu coração, fragil como um dente-de-leão.
    :D

    ResponderExcluir
  11. Olá vim conhecer seu blog e estou encantada com tudo por aqui. A junção das tuas palavras são extremamente perfeitas e nos deixa aquela paz, mesmo por trás de tanta saudade descrita. É tão complicado a despedida, não é mesmo? Eu passei por issso e te garanto que só as palavras diárias conseguiram diminuir um pouco.

    Gostei tanto daqui que curti e segui, parabéns Maria pelo blog e por tais palavras tão serenas e encantadora. Virei mais vezes aqui, com toda a certeza.

    Beijos e bom final de semana.
    Com carinho, Juu e blog O que um coração sente. ♥

    ResponderExcluir
  12. de verdade, achei tão simples, tão lindo.. imaginei uma cena pra cada frase, parece que se a gente para pra pensar, dá pra ver os personagens, a música de fundo, tocando cada vez mais baixo até a última linha acabar..

    muito bonito.

    ResponderExcluir
  13. Bonito.. bem cantado! Triste, mas adorei.

    ResponderExcluir
  14. Ai, meu Deus, Fernanda! Assim você me mata! (Michel Teló, sai de mim! hahahaha)

    Que coisa linda, Fer. Muito linda mesmo!
    Nem preciso dizer que suspirei um bocado, né?

    Beijo!

    Sacudindo Palavras

    ResponderExcluir