o choro é livre

|

15 de setembro de 2016

mafe-probst

Estou cada vez mais convicta de que sou uma manteiga derretida. Com o passar dos anos, aprendi que não se deve segurar o sal que quer escorrer dos olhos, então eu choro sempre que me dá vontade. Muitas das vezes me pego chorando, antes mesmo de sentir as lágrimas se formarem. Quando vejo, a gota de orvalho escorreu pelo rosto e pingou do queixo, deixando um rio fino desenhado sobre a maquiagem que cobre a pele.

Não ligo.

Tem choro que escapa em meio ao riso, quando a felicidade é notória. Quando a alegria é muito, só o sorriso não dá conta de transbordar, então os olhos ajudam. Essas lágrimas são as mais difíceis de sair, mas surgem. E, das lágrimas, são as mais lindas. Tem choro que escapa em meio à guerra de cócegas, em meio aos amigos que contam piadas idiotas ou numa mesa de jantar, com a família toda reunida, quando todo mundo ri de tanto gargalhar por causa de uma história que, de tão sem graça, acaba sendo engraçada.

Eu choro sempre que me emociono. Choro assistindo vídeo de catioros que se reencontram com seus filhotes, ou vídeo com pessoas que escutaram pela primeira vez, ou cenas de novela, quando o casal finalmente fica junto. Eu choro em aeroportos, tanto na chegada como na saída. E choro vendo o choro alheio, porque acho tudo bonito. Gosto dessas lágrimas que caem quando os pelos se eriçam de emoção. Choro em abertura de olimpíada, choro com vitórias dos outros. Tenho páginas e páginas de livros manchadas por causa das lágrimas que caíram. Chorei quando ergui meu diploma, chorei ainda mais quando abracei meus pais, senti o riso rasgar o rosto e deixar o olho bem pequenininho quando ouvi minha música a primeira vez.

Eu choro quando me machuco, seja trancando o dedo na porta ou batendo o dedinho na quina de algum móvel maldito. Se cortei o dedo, choro. Se cortei cebola, choro. Não é que seja um drama mexicano, mas tem muitas ocasiões que os olhos se enchem de lágrima. E tem aquele choro que vem quando o coração fica pequenininho. Quando o peito aperta. Quando sufoca.

Eu não sei lidar com esses apertos no peito. Já senti o peito apertar com histórias inventadas, em filmes e em livros. Tenho quatro livros que tive que parar a leitura, porque as lágrimas não cessavam e embaçavam a visão: Harry Potter, na batalha final, quando Fred morreu (chorei também relendo A ordem da Fênix, porque já sabia o final); chorei a vida lendo A Menina que Roubava Livros; me acabei de chorar em Um Dia e chorei outro tanto em Como Eu era Antes de Você. Esses me marcaram mais. Podia listar outros, mas as lágrimas foram mais tímidas.

O coração vira-e-mexe se espreme. Se eu choro com dor física, choro ainda mais com dor na alma. E já tive a alma despedaçada incontáveis vezes. Chorei quando a Madonna, minha cachorra, morreu. Foi uma das primeiras perdas memoráveis que tive. E chorei com a perda dos meus avôs, num intervalo de dez anos entre eles. O coração parece que para quando a gente chora. E alivia. Eu chorei a perda de amigos, chorei a morte de desconhecidos... Chorei a dor dos outros.

A verdade é que eu não sei muito bem lidar quando o coração aperta. A vida é um sopro cruel, às vezes. Hoje a ficção virou realidade e três crianças ficaram órfãs de pai. Hoje uma mulher ficou viúva. Ela e outras tantas, que não viraram notícia. Mas quando a morte vira notícia, a gente para e pensa. E pondera. E o coração fica pequeno e as lágrimas riscam o rosto (como estão riscando agora), porque dá um medo danado. O ator é só dois anos mais velho que meu pai, que ainda parece um garotão cheio de vida. Aí assusta. Era só um mergulho, mas virou reportagem. É mais uma data que vai ficar fincada numa lápide. É mais amanhãs, planos, histórias, momentos, risadas, gargalhadas, guerras de travesseiros, sopro de velas, natais, viagens, beijos e abraços que não acontecerão. É um ‘vamos marcar’ que nunca chega.

Estou cada vez mais convicta de que sou uma manteiga derretida. Então eu choro, antes mesmo de sentir as lágrimas se formarem. Quando vejo, a gota de orvalho escorreu pelo rosto e pingou do queixo, deixando um rio fino desenhado sobre a maquiagem que cobre a pele.

Não ligo. A vida é curta demais (embora pareça gigante). E se tiver beijo para dar, riso para rir, abraço para apertar — e lágrima para cair — que seja. Rótulos, são apenas rótulos: manteiga, chorona, insana, maria-mole, louca, sonhadora. O foco é saber viver antes que chegue nosso prazo de validade. 


VEJA MAIS:
FACEBOOK | TWITTER | INSTAGRAM | 👻 mafeprobst

• • • • • 

*Para fins de direitos autorais, declaro que as imagens utilizadas neste post não pertencem ao blog. Qualquer problema ou reclamação quanto aos direitos de imagem podem ser feitas diretamente com nosso contato. Atenderemos prontamente.

comentários pelo facebook:

1 comentários:

  1. Tô arrasada, acordei à noite e parecia que faltava um pedaço. Tô lendo um livro que imaginada Domingos como o personagem. A vida é muito rara e breve e tem que ser incrível, por isso. 😑

    ResponderExcluir