assoprar a sombra para lá

|

18 de outubro de 2016


é que eu já sei de cor
qual o quê dos quais
e poréns dos afins
[Paquetá - Amarante, R.]

Tem dias que eu quero muito o sol sobre mim. Uma sombra minguada sobre os meus pés e o mundo inteirinho azul na minha frente. Queria que não chovesse, que não molhasse. Não mais sentir a gota que escorre pela face. Odeio os dias grudentos, fechado em cinza com nuvens gordas sujando a cidade. Umidade demais me enjoa. E dá vontade de se esconder no meio das cobertas, de se esquecer entre um sonho e outro – que não façam sentido.

Por favor, eu preciso de sonhos sem sentido, sem pés nem cabeça, sem começos, meios e fins. Sem fim. Quando sonho certinho demais, acordo mergulhada em uma nostalgia, pois sempre sonho perguntas e tento saná-las de todas as maneiras possíveis. E, por não conseguir, eu sonho em como as coisas eram e fico tentando entender porque as coisas deixaram de ser. É onde eu acordo virada em melancolia e as nuvens gordas e sujas e úmidas e frias não ajudam muito nessa de querer evaporar as lembranças.

Então, eu quero muito um sol sobre mim. Meu, particular. E uma bala de menta, pra tirar o gosto amargo das palavras que engulo todo dia antes de deitar.

comentários pelo facebook:

23 comentários:

  1. Eu nunca quis tanto assoprar essa sombra escura pra lá e deixar a luz entrar por essas janelas como agora. Já choveu, né? Agora é hora de sorrir.

    ;)

    ResponderExcluir
  2. Também preciso de uma bala.
    Não aguento mais engolir as coisas pra manter a paz...

    ResponderExcluir
  3. Eu quero que chova pra que o sentimento brote, entende? Saio sem guarda-chuva, se preciso. Ai ai.

    :*

    ResponderExcluir
  4. Consegui sentir o que vc escreveu. Bom demais! Beijo

    ResponderExcluir
  5. gosto dos dias cinzas... não me pergunte o por que.

    Estava no meu blog, achei um comentário teu, de 2008. Resolvi retribuir a visita.

    =)

    ResponderExcluir
  6. "Então, eu quero muito um sol sobre mim. Meu, particular. E uma bala de menta, pra tirar o gosto amargo das palavras que engulo todo dia antes de deitar."

    É engraçado como te encontro por aqui. Hoje passei aqui no blog e vi que vc ainda não tinha atualizado e por isso resolvi ler todos os seus posts, desde o começo e li o do espasmos também. Agora abro meu blog e vejo uma atualização sua, imagina o que fiz? corri pra te ler, e como sempre me surpreendo com suas palavras, doces, subentendidas...e que dizem mesmo sem querer o que no momento eu vivo.

    Amo te ler menina, e não vou enjoar de te dizer isso, de um jeito ou de outro esse teu sumiço é bom sabe?! nos deixa curiosos e sempre querendo ler mais, ler palavras que talvez eu mesma não consigo externalizar..e acabo me encontrando por aqui!

    Um beijo e um sorriso florido pra você! =)

    ResponderExcluir
  7. Ah Fê!!

    Eu também quero um sol. Um raiozinho que seja. Pra iluminar as letras ou pra ajudar engolir as cinzas que escapam de nuvens gordas, sujas e embaralhadas. E se chover não quero me molhar... De jeito nenhum.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  8. Somos iguais em sonhos nostálgicos que fazem sentido.
    Tenho tido muitos desses.
    Bom te ler, que o sol brilhe sempre para você, meu bem.
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Seu blog é tão jovem, tão gostoso de ler que saio daqui sentindo um sabor doce na boca.
    Beijo beijo.

    ResponderExcluir
  10. Ao menos é inverno e o tempo fora da gente é bem seco.

    beijos, moça

    ResponderExcluir
  11. Esquecer-se entre um sonho e outro é uma das coisas mais doces num dia de nuvens gordas e céu fechado.
    Te desejo mais céus abertos e mais balas de menta.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  12. Não sei como, mas essa postagem me pareceu tão musical! Sou capaz de imaginar uma música com esse enredo, uma música clara e crua, bem tipo a vida mesmo.

    Sempre bom passar por aqui!

    ResponderExcluir
  13. Vim aqui te visitar. Bala de menta!? Menta arde, para adoçar não seria um sabor mais doce: morango, cereja ou outro qualquer? O importante mesmo é colocar na boca uma bala do seu sabor preferido.

    ResponderExcluir
  14. embora eu goste, sei que nasce mofo.
    corre ali, tá um sol bonito lá fora (:

    ResponderExcluir
  15. "Então, eu quero muito um sol sobre mim".

    Quero muito!

    Amei. E foi bonito cada palavra.

    Beijo doce, Fernanda.

    ResponderExcluir
  16. Também tenho sentido falta dos dias quentes de sol brilhante no céu azul limpinho, sem nuvens cinzas...

    ResponderExcluir
  17. Nem sempre acordamos de bem com a vida, mas nem por isso ela precisa estagnar. Pense: o sol mesmo solitario não deixa de brilhar todos os dias. Por mais que a escuridão esteja na noite lembre-se que o ceu esta cheio de estrelas para iluminar o seu amanhecer!!!!

    ResponderExcluir
  18. Não sei porque, mas essa bala de menta às vezes me dá náuseas. Às vezes, é só questão de colocar pra fora, mesmo.

    Saudades ;)

    ResponderExcluir
  19. Raios de sol são sempre a nossa esperança em dias cinzentos. Mas há sempre tons sutis pra colorir.

    Super beijo...

    ResponderExcluir
  20. Já eu nunca gostei do sol. Sempre preferi a sombra, as nuvens, o vento frio e sonhos beeeeem certinhos. Os sonhos doidos não funcionam muito comigo.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  21. Já eu nunca gostei do sol. Sempre preferi a sombra, as nuvens, o vento frio e sonhos beeeeem certinhos. Os sonhos doidos não funcionam muito comigo.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  22. Te Desejo muito Sol. Também quero muito Sol.


    Beijo

    ResponderExcluir
  23. OS POETAS
    Como afloram os sentimentos
    Nos poemas que se faz,
    Transmitem em todos num só momento
    A paixão que agente traz.

    Decantamos a beleza e o amor
    Para levar ao mundo; humildade, carinho e paz.
    Aliviar no povo seu sofrimento e dor
    Dando a ele um novo alvor.

    Nesse mundo de desafetos
    O homem não pode continuar
    Nós, Poetas, podemos colaborar,
    E da transformação podemos participar.

    Esse dom que recebemos
    Não é para ser guardado
    E sim, para ser exteriorizado.
    A nós ele só foi emprestado.

    No plano em que vivemos
    Cada um tem sua missão.
    Infelizmente! Alguns levam o ódio
    Ah! Mas o Poeta! Leva o amor ao coração.

    ResponderExcluir