ponto de vista

|

3 de outubro de 2016


Me puxa pela mão, sem perguntar se quero ir. Não sei lidar com perguntas e tenho tendência a negar qualquer tipo coisa que saia um pouco da bolha confortável que desenhei pra mim. Não me dê espaço para poder agir, porque sempre ajo dando um passo para trás e, de verdade, só dessa vez, eu não quero recuar.


Decorei as esquinas desse lugar que me acolheu de braços abertos, como um amigo antigo. Quando fecho os olhos, sinto o cheiro da natureza que essa cidade tem e sinto uma paz imensurável. Me senti em casa, sabe? Eu desenhei uma história pra nós dois, e você nem imagina.

 Me leva para um lugar que só nós conhecemos... Me mostra tudo pelos teus olhos. Quero enxergar esse lugar de novo e aprender as nuances do teu ponto de vista – literalmente. Não me pergunta, só me pega. E se eu demostrar resistência, não liga. É só um charminho bobo.

Me puxa pela mão, sem perguntar se quero ir. Me mostra teu mundo nesse lugar que é tão meu. Eu carrego uma bagagem na memória, então preciso de algo novo. Algo nosso. Me leva? Não sei para onde, mas me leva.

comentários pelo facebook:

1 comentários:

  1. Nem sei o que comentar, de verdade!
    Esse texto se faz presente, quero deixar alguém me levar, mas o medo me prende.

    Beijo

    ResponderExcluir