PARA UM ARIANO

|

15 de março de 2018


Afeto

O amor começava a crescer dentro de mim. Era como um feto que aos poucos vai ganhando forma e nome. O feto haveria sugado os nutrientes do meu corpo, o amor havia sugado minha alma por inteiro. Quanto mais era consumida, mais me sentia completa. Vivia em delicioso paradoxo. Mas como havia passado a depender tanto de um alguém ainda abstrato?

Todas as minhas expectativas e apostas num jogo só. Como mãe zelosa, comprava sapatinhos e encontrava enfeites para o quarto do bebê aonde quer que fosse. Estava cega por uma felicidade em potencial. Era deficiente com meu próprio consentimento. O amor só crescia, a barriga tornava-se aparente. Ultrassonografias, fotos de nós dois juntos. Desejos de grávida, desejos dos apaixonados. O quarto do bebê já estava pintado, meu coração com um espaço vago reservado para a entrada do novo alguém. Mas o inesperado sempre fazia questão de surpreender. 

Sonhei com lágrima de sangue, simbologia terminal. O amor morrera de forma prematura. Ao morrer o filho morreram também pais de primeira viagem. Ao morrer o amor morreram dois jovens amantes. Ora, os filhos não deveriam morrer depois dos pais, afinal? A perda precoce culpou o corpo. No fundo a alma também se sentia culpada. Culpa de quem? Do casal? Do destino? De um deus cuja existência era agora questionada? O tempo levaria tempo para amenizar a dor. Do amor só se fazia abstinência.

Mal conseguíamos olhar no espelho. Mal conseguíamos olhar um para o outro. O vazio do quarto, o vazio do ventre, o vazio dos meus olhos que não mais o viam. Irônico eu me encontrar deitada em posição fetal. Buscava adormecer, mas seus braços não me acolhiam mais. O que nos unia, nos afastou. As luzes do quarto do bebê então foram apagadas. O coração foi se fechando em torno dele mesmo. As lembranças doíam tanto.

O coraçãozinho que mal começara a bater, já transmitia tanto amor. E as mãozinhas recém-formadas já me tocavam tão a fundo. O bebê virara anjo mudo. O amor virara frieza. Um leque de possibilidades abruptamente se fechou. O vir-a-ser talvez não mais fosse. Abortara o amor. Este, que crescia bem dentro de mim.


comentários pelo facebook:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...