icones sociais

O Rei do Show

(“The Greatest Showman”- 2017)

A tela do cinema é aquele lugar mágico em que somos transportados para um lugar diferente. De amor, mistério, terror, suspense, humor, saímos de nosso mundo, ainda que por algumas horas, e não voltamos os mesmos.

É por isso que um dos meus gêneros favoritos é o musical. Toda a magia de uma história embalada por canções especialmente feitas para trilhar essa experiência junto com o telespectador. Nem sempre felizes, às vezes histórias tristes, mas que buscam nos mostrar que podemos ser melhores, nos superar e superar nossos limites e nos tornar alguém além de nossas próprias expectativas.

Sensibilidade, carisma, muita música e emoção. Esses são alguns dos sentimentos que “O Rei do Show” nos proporciona.

Vítima de uma má sucedida campanha de marketing, este belo filme passou despercebido do radar do público e das premiações. Contudo, na minha opinião, é uma obra prima do cinema musical.

A produção de arte, os figurinos e a fotografia são dignos de um musical da Broadway. O elenco é estelar, encabeçado pelo versátil Hugh Jackman, mais uma vez dando show através do canto, da dança e da atuação.

As músicas foram especialmente compostas para o filme, que conta a história de P. T. Barnum, o idealizador do circo.

O filme é livremente baseado em sua vida, romantizando o que muitos contam ter sido um homem difícil e controverso. No entanto, o filme não pretende retratar a vida deste homem, mas usá-la como artifício para contar um período marcante no entretenimento, qual seja, o nascimento do circo e do show business, bem como enaltecendo o diferente.

Em uma época em que a tolerância tornou-se pauta obrigatória, mostrar que ser você, único e especial, é uma vantagem, e não motivo para se ter vergonha ou se esconder, é um roteiro que merece ser apreciado.

Ainda, o filme traz Zac Efron, Michelle Willians, Zendaya, Rebecca Ferguson e Keala Settle e sua voz ponderosa. Um elenco talentoso e muito à vontade em seus papeis.

A história é muito bem contada e emociona. Através de cores, muita música e dança, lembrando-nos de que o mais importante é ser feliz, amar e respeitar, e principalmente, ser fiel a quem nós somos de verdade.

Se está procurando um filme diferente, ou apenas sentar e se deixar transportar por algumas horas, esse filme é para você.

O desafio? Não sair cantando as músicas ao final da sessão.

Comentários

Instagram