icones sociais

Para todos os garotos que já amei


Depois de assistir o filme, eu precisei me jogar na trilogia de Jenny Han. E nos detalhes do primeiro livro, novamente me apaixonei por esta história, tão cheia de sentimentos quanto de entrelinhas, implorando por um pedido de coragem.

Para todos os garotos que já amei, se tornou o começo de um amor que eu nunca cansarei de repetir. A leitura é divertida, intrigante, desperta emoções, nos tira da zona de conforto por torcer por mais de um personagem. E no final? Desejamos unicamente ter a coragem de L.J.

O amor ele está por aí, pronto para nos envolver em uma história com dificuldades e dias de sol. Porque nada é só flores. Ele nos convida para experimentar a vulnerabilidade, porque quando deixamos o outro fazer parte da nossa vida, não devem existir "contratos", ou regras. Mas sim, a confiança de que se ali ele escolheu ficar, foi porque talvez em um entrelaçados de mãos, ou na simplicidade dos trejeitos do rosto, fora encontrado uma pitada de paixão.

E quem é que não deseja viver esse amor? Que seja loucura versos razão? Que nos faça questionar coisas que talvez sempre estiveram aqui, desde a 7° série, ou que simplesmente chegou como quem nada queria, mas deseja ficar?

Muitas vezes, por causa de acharmos que o amor anda unicamente dentro de uma pessoa, o perdemos, ou quase o perdemos. Mas nem sempre poderemos contar com o "quase". Afinal, só vale estar junto daquele que realmente percorre — QUALQUER que seja — o caminho, unicamente para estar ao nosso lado.

Para todos os garotos que amei, se tornou, de longe, um dos meus livros preferidos. Agora embarco em PS, eu ainda te amo.

Comentários

Instagram