icones sociais

Uma página do meu diário - Quando eu me achei



Se descobrir pode ser uma das partes mais dolorosas do ser. Se descobrir é aceitar solidão, aprender solitude. Se descobrir é deixar partir as coisas que mais considerávamos importantes pra saber se elas realmente eram; ou se só eram construções de uma vida sem rédeas do próprio dono.

Sempre tive a necessidade de me descobrir e de saber quem eu era. Sempre fui muito aos outros, fiz tudo pelos outros, sempre ofereci demais pra eles, mas sempre fui de menos pra mim. Sempre que fechava a porta do quarto, ao entardecer das noites, um ponto de interrogação pairava sobre a minha cabeça...e agora, o que me resta?
Depois de tantos favores, tantos serviços, depois de ouvir tantos corações abarrotados de angústias e oferecer os melhores sorrisos de apoio, quem eu era pra mim? O que eu via no espelho, o que eu enxergava através da superfície que me refletia? O que me preenchia?

Por noites eu abraçava o travesseiro e deixava as lágrimas rolarem depois de tantos sorrisos expostos. Fazia-me nua pra mim, numa desesperada esperança de me encontrar, de me amar. Eu sabia amar, eu oferecia amor, eu sentia amor, mas por que então eu não era capaz de me amar?

Mas há como amar o que não se conhece?

Eu não me conhecia.

Além de não me conhecer, eu não me pertencia. Eu não era minha, eu era deles. Meus passos não eram meus, eram guiados por eles. Minhas vontades não eram minhas, eram manipuladas por eles. E eu segui, por muito tempo, todos eles; feito cachorrinho, pra no fim não ganhar a recompensa famosa dos pets.

Então eu me virei do avesso.

Então a terapia me pôs do avesso. Então a depressão veio me abraçar como quem tenta abafar o choro e dizer que tudo vai ficar bem.

É até estranho de dizer, mas eu a vejo como aliada. A gente se deixa acumular das coisas do dia a dia, a gente se deixa frustrar pelo cotidiano, a gente se deixa esquecer ao longo de todas as obrigações. A gente para de se ouvir. E ao parar de se ouvir é que a gente peca e esquece o melhor caminho pra própria vida. A gente se enche de mágoas, tristezas e desilusões. A gente se afoga na dor e na dor ela surge. Na dor a depressão surge pra nos alertar e mostrar que devemos despertar pra nossa vida e olhar o nosso coração.

Eu despertei e me virei do avesso.

E ao me virar do avesso eu encontrei quem eu havia deixado há tanto tempo esquecida dentro de mim. Eu me encontrei. E me encontrando, eu me dei a chance de ser de novo felicidade e de ser eu de novo pra mim.

Comentários

Instagram