icones sociais

Escoliose, santa escoliose!


Depois de ver, pela segunda vez, o mesmo supermercado, chegamos a conclusão que estávamos perdidas e fora do rumo que deveríamos tomar. A mãe pediu que ligasse para meu irmão, a fim de pegar corretamente o endereço, após a musiquinha de ligação a cobrar (afinal, jamais gastaria créditos ligando para casa) e endereço devidamente anotado, saímos, mais uma vez, procurando pelo tal consultório médico.

— 2251, 2251, 2251... Rá! Aqui! Achamos.

O consultório era algo extremamente grande, espelhado e bonito. Seria impossível que passasse despercebido. Apesar das “horas” de procura, ainda não tínhamos passado por ele ainda. Entramos numa ampla sala de recepção e fomos direto ao balcão de madeira da secretária.

— Pois não?
— Tenho consulta marcada com o Dr. Fulano.
— Carteirinha da Unimed e Identidade, por favor?

Aguardamos mais uns minutos, a mocinha BomBril (mil e uma utilidades) levou menos de 5 minutos para fazer cadastro, atender 8 telefonemas, marcar duas novas consultas, me pedir para assinar no devido lugar e, pondo-se de pé, pediu para que aguardássemos no corredor ao lado. Mal tive tempo de sentar-me nas cadeiras almofadadas e logo já ouvira meu nome. Erguendo rapidamente os olhos para poder ver quem me chamara e para que direção deveria andar, avistei um moço de branco, alto, magro e bonito aguardando na frente de uma porta próxima. Será um anjo? Pensei, ironicamente. E entrei no consultório com a mãe a tirar colo.

Ir a uma consulta num ortopedista, não é muito agradável. Como todo bom médico, ele fez ‘n’ perguntas (para se mostrar interessado). Porém, minha mãe fez mais perguntas para ele do que ele, como médico, fez para mim. Ironia do destino, aquele médico bonitinho, de um metro e oitenta e tantos e olho azul piscina tinha sido aluno dela à alguns bons 20 anos atrás. Como quem revê um amigo de longa data, os dois travaram uma conversa durante toda a minha consulta.

Atrevido, pediu-me para que tirasse a blusa, a fim de poder observar melhor minha coluna. "Abusado" pensei, mas fui logo tirando a blusa. Ô situação desconfortável essa minha, semi-nua na frente de um cara que acabo de conhecer.

Passada a situação vergonha, direcionaram-me para uma saleta de raio-x. Depois de muito respira, solta e tranca a respiração bati 8 radiografias de minha coluna. Nunca tinha visto meu ‘eu-interior’ antes e isso foi uma experiência e tanto!

De volta ao consultório do médico-ex-aluno-da-mãe eles ainda estavam conversando e eu me meti na conversa. O destino ironizando mais uma vez. O médico gato me conhecia de pequena, na real, ele me conhecia antes mesmo de eu ter essa coluna podre (motivo da consulta – amém). Lembrava de mim da barriga da minha mãe.

Nunca me senti tão grata por ter um desvio mínimo na coluna. A ida foi providencial e eu saí de lá com mais vontade de torcer a coluna do que de corrigi-la. Brincadeira (em partes). De volta ao carro, pergunto para a mãe: e aí, ele é casado, enrolado ou solteiro?

— Não sei. Não perguntei.
— Como não??? Perguntasse tanta coisa e isso nada?

Tsc tsc tsc. Viu, terei que inventar uma escoliose para poder voltar lá, linda, alegre e pseudo-dolorida...



Mafê Probst
Engenheira, blogueira e escritora, não necessariamente nesta ordem. Gosta das hipérboles. Geminiana complexa, curiosa e indecisa. Come sushi toda quarta-feira. Coleciona sorrisos, dentes-de-leão, abraços apertados, despedidas de aeroportos e alguns clichês.  Tem um livro à venda. É membro da Academia de Letras de Itajaí, ocupando a cadeira número 7 – Paulo Leminski.

Comentários

  1. hahaha poxa nem ao menos perguntar se o bonitão tinha namorada??? Em meio a tantas perguntas , sua mãe podia ter te adiantado esta não é?
    Beijos querida!

    ResponderExcluir
  2. hahahahahah;
    plo menos sua mae teve motivos para conversar com o jovem; e eu q ja passei por diversas situaçoes parecidas por apenas a minha mae achar os moços simpaticos e querer apresentar a mim mesmo quando estava com namorado ao lado.
    auhauaha... no fim tudo acaba sendo engraçado; ainda bem né?

    um beeijo

    ResponderExcluir
  3. Aaaaah, sortuda!
    ir num médico bonito a ainda conhecido!
    Aff, eu só vou em médico chato, velho, e intrometido.
    Pq tu já viu né? Médico é bicho intrometido...hauhaua
    Mas então, vai lá denovo, pro "retorno".
    Huahau
    Beijuus

    ResponderExcluir
  4. Em primeiro lugar eu quero perguntar uma coisa... como assim bom-bril? algo contra? E em segundo lugar... qual é o endereço? acho que minha coluna está doendo agora.
    hahaha

    ResponderExcluir
  5. Poxa, sua mãe tb não ajuda em nada né?!
    HAUAIAHAUAIAHAUAIAHAUAIAHAUAIA

    Médico, novo e olhos azul pisicna?! Vixe, já queria ter como genro ;)

    Foi bom revisitar seu blog.
    Beijocá e se cuida!
    ;*

    ResponderExcluir
  6. Sonhos de uma moça de verão!

    Vai que seu principe está vestido de branco heim!!!!

    beijins

    Mariliza

    ResponderExcluir
  7. Ai Fê, pelo menos você ficou seminua na frente de um cara bonitão!

    Não reclama, viu?!
    Hahahahahaha.

    Detalhe que esse seu "perguntasse" me lembrou demais o sotaque do Pedro!

    E sua terra que me aguarde, pois anos que vem estarei aí.

    P.S.: Comentei nos posts anteriores.

    Bjux!

    ResponderExcluir
  8. quem não tem escoliose hoje em dia?


    *pergunta sem nexo o.o'*

    ResponderExcluir
  9. Imagina o constrangimento de fazer um exame de próstata? Não quero nem saber!

    ResponderExcluir
  10. O VISTO É IMPRECISO
    ALCANÇA O QUE QUER VER
    PROCURA A LONGURA
    QUE A ALMA CONTÉM AO SER


    E NESTA FORMA VIVA
    QUE DA VIDA NOME TEM
    QUE SENTIR É VIVER
    AMAR É SER ALGUÉM!

    Bjs*

    ResponderExcluir
  11. kkkkk

    Muito bom!! Adorei!

    Xero pra tu

    ResponderExcluir
  12. hauhauauaha eita nós hein!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Instagram