icones sociais

O tempo passou, claro que passaria...



Há três anos atrás recebi a notícia que mudaria minha vida. Não, não foi uma notícia boa. Pelo que sei, foi a pior notícia que recebi desde então... Era madrugada e telefone quando toca de madrugada nunca trás notícia boa. E aquele fatídico telefonema, não fez por menos.

A noite foi triste e longa. As horas pareciam não passar e cada minuto doía. Cada lágrima doía, cada abraço conhecido doía... A sensação de que o mundo tinha desabado assustava. Ver os rostos sofridos daqueles que não gostariamos que sofressem nunca me causava impressão de inferioridade, de incapacidade. Me senti inútil em não poder tirar a dor deles, mesmo que eu doesse também...

O tempo foi passando, a dor foi se transformando em uma saudade saudável. Saudade de quem está longe, da presença que faz falta. Mas não dói mais. As lágrimas, quando rolam, apenas lavam a alma e lembrar dele, faz bem.

Cada ano que passa, Vô, é um ano a mais longe de você... E um ano a menos pra nos reencontrarmos.

Saudades eternas...
Saul O. de Souza.
☆ 14/10/1941
† 26/11/2004



Mafê Probst
Engenheira, blogueira e escritora, não necessariamente nesta ordem. Gosta das hipérboles. Geminiana complexa, curiosa e indecisa. Come sushi toda quarta-feira. Coleciona sorrisos, dentes-de-leão, abraços apertados, despedidas de aeroportos e alguns clichês.  Tem um livro à venda. É membro da Academia de Letras de Itajaí, ocupando a cadeira número 7 – Paulo Leminski.

Comentários

  1. Eu perdi meu avô esse ano. Nunca tinha perdido alguém tão querido e próximo e como me doeu.
    Embora não tivesse convívio com ele, porque ele morava lá no Ceará e eu aqui em Sampa, mas doeu muito saber que ele se foi e ainda dói pensar que a próxima vez que eu for pra lá, ele não estará lá.
    Bjitos!

    ResponderExcluir
  2. Perder pessoas que amamos é mto doloroso msm, mas é a vida, todos nós vamos passar por isso, o duro é conseguir entender pq pessoas boas vão embora tão cedo...
    bjinhuse boa semana!

    ResponderExcluir
  3. Perda é sempre difícil... Mas fica mais fácil quando encaramos somente a perda carnal mantendo sempre vivo o espírito. A última frase é linda Maria Fernanda!

    Beijão

    ResponderExcluir
  4. Meu avô se foi há alguns anos. Na época senti um pouco de remorso por não chorar. Na verdade eu sabia que isso ia acontecer e que estava na hora dele ir, pois estava dependendo dos outros pra viver. E ele era uma pessoa orgulhosa, jamais aceitaria uma situação como aquela em que estava vivendo. Mesmo assim me senti mal por não chorar.

    ResponderExcluir
  5. Vou peder o chão quando perder o meu... Ele mora aqui na frente de casa e faz tudo por mim!


    Meus pezares!

    ResponderExcluir
  6. Tem todas essas palavras de conforto sobre a morte, mas nada melhor que um bom colo pra gente chorar bastante toda vez que lembrar da pessoa querida que faz falta.

    ResponderExcluir
  7. Faz 3 anos, mas parece que foi ontem mesmo.
    Saudades do Vô.
    Uma simples homenagem:
    "Um grande amigo meu
    Que a sua fé perdeu,
    No dia de Natal
    No dia de Natal
    No dia de Natal
    No dia de Natal
    No dia de Natal
    No dia de Natal..."

    ResponderExcluir
  8. sei exatamente como você se sente. nesse ano eu passei por essa situação não uma mais 4 vezes.
    demora mas a gente transforma esse sentimento de perda em algo mais reconfortante.

    um beijo

    ResponderExcluir
  9. Parece que é sempre assim. Querer tirar a dor alheia também alivia a nossa.
    É, o tempo passa...

    ResponderExcluir
  10. E de onde tirar forças para tranquilizar quem amamos, quando o que mais precisamos são forças para nos mantermos em pé?
    Passei por isso 4 vezes. A última foi agora em junho. Minha avó paterna...
    =/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Instagram