icones sociais

Em busca de outros HEXA's


15 de julho de 2018, acabou a Copa do Mundo.

Durante um mês o mundo se voltou para a Rússia, todos os noticiários com cobertura total ao maior evento do futebol que acontece de quatro em quatro anos. Bom, realmente é um mega evento, e particularmente eu adoro. Sou fã de futebol, tive uma infância assistindo meu pai no seu esporte de final de semana, assistimos a final da copa de 94 (eu tinha 3 anos de idade), sofremos juntos em 98, quando Zidane e companhia acabaram com o sonho do penta. Vibramos juntos em 2002 ao ver um grupo se fortalecer a cada jogo e mostrar que individualidades, quando unidas por um objetivo, formam um conjunto que conquista o lugar mais alto do pódio.

A Copa, mais do que futebol, também é cultura, é uma união de povos, é política discutida de forma leve, ou não. Mas, na real, nessa Copa de 2018, a gente bem que poderia fazer uma reflexão sobre algumas atitudes meio fora do contexto real da festa.

Assisti a quase todos os jogos, e a fase de mata-mata foi a que mais me emocionou, porque é nesse momento que, mais que a técnica, o coração também conta muito, é a hora da raça, da vontade de vencer. Como tem que ser, um tem que perder, e o que conta é o dia, como os jogadores estavam preparados física e psicologicamente. Foi uma copa insana, grandes seleções dando ‘tchau’ bem cedo. Times que nunca chegaram as finais eliminando grandes campeãs. Voilà!! Isso é futebol! E a França levou o caneco!

Mesmo com a derrota e vendo o orgulho dos croatas, eis que lembrei da eliminação do Brasil contra a Bélgica. Num programa pós jogo, ouvi um comentarista dizer que o futebol brasileiro precisa olhar para o futuro e perceber que o jogo mudou, necessitamos de um PLANEJAMENTO, assim como os times europeus fizeram.

Aí pensei: não precisamos de um planejamento somente no futebol, a gente tem que organizar a casa toda, e o que mais me preocupa é a falta de tolerância que a pessoas carregam consigo. A gente tem que começar mudando essa parte aí. Fernandinho fez um gol contra, é obvio que ele não queria isso, foi uma infelicidade e, em poucos minutos, pessoas sem noção invadiram as redes sociais do cara e o chamaram de tudo, menos de santo.

Acho que as pessoas estão um pouco alienadas com a possibilidade de ter acesso em tempo real à informação, de poder escrever COMENTÁRIOS EM POSTS e utilizar palavras tão baixas com uma intolerância que dá medo.

A gente termina a copa com o desejo que o HEXA venha em 2022, mas além disso, eu quero alimentar a esperança em pessoas que saibam respeitar o próximo, que saibam aceitar diferenças. Que não se tornem indivíduos alienados ao que acontece no próprio país, e que não se achem no direito de julgar o outro, simplesmente porque podem se esconder atrás de um celular ou computador.

Vem Qatar!!!

Comentários

Instagram