icones sociais

Dualidades


Tenho dedicado tanto tempo tentando entender o que está acontecendo cá dentro... Tantas mudanças, muitos sentimentos aflorando, a maioria deles ainda inexplicáveis para mim, tanta emoção à flor da pele, pequeninas coisas ganhando proporções colossais e, coisas até então sublimes e intocáveis, perecendo e virando pó bem diante de mim.

Tantas dúvidas, algumas certezas, muitas perguntas sem respostas e algumas conclusões que não asseguram simplesmente nada.

Tantos anseios, quantas vontades, mil desejos, mas falta coragem... Tantas lágrimas, alguns risos, choro e gargalhada. Muitas idas, tantas vindas, muitas voltas sem chegar a lugar algum.

Desistir, retroceder, avançar, dar um passo à frente ou dois atrás.

Dizem que a vida é assim mesmo: essa inconstância tamanha. Por isso, quanto mais me dedico a compreender isso tudo, menos eu assimilo e mais desconexa eu fico. E fica tudo bem embaralhado por aqui, caótico, desordenado e bagunçado mesmo.

Perdida aqui nos meus devaneios, sem conclusão alguma, certeza de nada, dúvidas mil, não sabendo se é melhor usar pontos finais, reticências, vírgulas ou exclamações, continuo aqui com minhas infinitas interrogações e incógnitas.

E resolvo, pelo menos por hoje, deixar de tentar entender o que é intangível e inacessível a qualquer lógica ou razão. Não tem nada tão óbvio por aqui. Nada é claro, explícito ou tão evidente assim. Estrada não linear, sinuosa ao extremo. Tudo é dúbio e sujeito a distintas interpretações: ambíguo, indefinido, vago, mas ao mesmo tempo tão profundo. E, no meio deste mar de anarquia desordenada, eu sigo remando, às vezes contra a maré, de vez em quando a favor do vento, rumo a não sei onde.

A única coisa que sei é que, tendo você ao meu lado, jamais perderei meu norte, porque você é e sempre foi minha bússola, o capitão do meu navio, meu satélite e senso de orientação. Sempre... desde o dia que entrou no meu raio de visão, a partir do exato momento que nossos caminhos se cruzaram.

Você é meu porto seguro, meu farol e me guia na direção certa.

Mas, ao mesmo tempo, seus olhos são icebergs gigantes, por vezes tão frios e gélidos; perigosos, arriscados e incertos. Tenho medo de colidir, me perder, afundar ou naufragar. Porque como tudo na vida, você também é ambiguidade e dualidade, meu bem.

É meu nirvana, minha paz, meu acalento. Mas é também minha perdição, minha ruína e meu tormento...

Comentários

Instagram