icones sociais

Uma página do meu diário – os primeiros passos



Uma das coisas mais dolorosas é acreditar que a gente vai achar abrigo em determinados espaços que se fecham quando a gente mais precisa. Contar pra minha família que eu estava com depressão e precisaria começar o tratamento foi uma das coisas mais difíceis que eu encarei nesse processo. A gente sabe que terapia e que os remédios são caros, eu não tive ajuda. Bem diferente do que eu imaginava que seria, ouvi risadas quando disse que era quadro depressivo e de ansiedade. Doeu, provavelmente mais do que as dores das crises. E eu tive de enfrentar.

Tive de enfrentar e descobrir que nem todo mundo está preparado pra receber tudo mesmo. Tive que entender que meus pais vêm de uma geração muito diferente da minha e que os 40 anos de idade que nos separam é algo realmente gritante quando se trata de doenças mentais – e, na verdade, quando se trata de qualquer coisa. Eu tive que entender que tava tudo bem eles acharem que era besteira, que era frescura e que eu estava assim porque queria, afinal eles nunca tiveram muito acesso ao conhecimento e tá tudo bem.

Ao me reconhecer eu tive que entender e acolher meus pais também.

Entender que eles enxergam a vida de uma perspectiva muito diferente da minha, mas que, no fim, eles só queriam o meu bem. Foi difícil. Como boa taurina com ascendente em touro, o orgulho sempre falou mais alto em mim. Várias das queixas trabalhadas em terapia diziam respeito às dinâmicas e relações familiares. Muitas delas foram além da minha capacidade de entendimento, mas eu precisei abaixar a cabeça e perdoar. Mais que isso, eu precisei entrar em contato novamente com todas as minhas dores e dar um novo significado a elas. Precisei recuperar cada momento de conflito e de dor pra conseguir liberar o perdão e, principalmente, conseguir resgatar os pedaços da Fernanda que ficaram perdidos entre todas essas memórias.

Dói entender que o outro erra e que por vezes seremos o alvo desses erros.

Dói mais ainda saber que erramos igualmente e que, da mesma forma, outros são o nosso alvo. Ao entender os erros deles, eu pude entender os meus também. Ao perdoá-los, eu pude me libertar. E me libertando eu fui descobrindo aos poucos novas maneiras de viver e de encarar o passado que há tanto vinha doendo, mas que hoje é representado por uma cicatriz disfarçada por tatuagens coloridas de novos momentos.


Comentários

Instagram