icones sociais

Como escolhi letras


Sempre gostei de escrever. Sempre tive muita facilidade em me expressar através das palavras escritas e amava as aulas de leitura na escola também. Minha identificação com a matéria de língua portuguesa se deu logo nos anos iniciais e foi aumentando conforme as séries e as dificuldades, mas confesso que, no fim do terceirão, ainda não tinha domínio das regras da gramática.

O que me fez optar pelo curso, aos 17 anos, foi a paixão pelas palavras, em perceber como a junção de algumas podem mudar o dia e até a vida de alguém. Acreditava fielmente que as palavras têm poder, hoje sou certa disso.
Além do amor pela escrita, sempre cultivei uma admiração pelas minhas professoras. Achava lindo como elas se dedicavam à profissão e como os gestos delas também eram capazes de mudar a vida de alguém.

Mudar a vida de alguém...Era isso que me despertava um frio na barriga. Desde pequena eu sonhava em fazer a diferença na vida das pessoas de uma maneira positiva. Foi então que me vi no curso de letras.

De uma maneira geral, o curso me abriu horizontes, me tornou um ser humano mais crítico, reflexivo e mais sensível. Aperfeiçoou a minha escrita, a minha leitura e, mais ainda, aperfeiçoou a pessoa que sou. As leituras, discussões, debates e os trabalhos fizeram-me entender e compreender a minha realidade e o mundo que me cerca. Descobrir o poder das palavras certamente mudou a minha vida.

O curso de letras, habilitação em licenciatura, é totalmente voltado para o ser professor, mas há matérias que auxiliam (e muito!) na produção e revisão textual, o que acaba abrindo um pouco mais o campo profissional, podendo surgir oportunidades de trabalhar como escritor e/ou revisor textual em alguma agência ou editora, por exemplo.

O lado bom da profissão é que há muitas vagas disponíveis em todo o país, visto que é uma das profissões menos procurada pelos jovens atualmente. Há muita demanda de profissionais da área, o que acaba facilitando a procura por empregos. Antes mesmo de se formar é possível conseguir trabalhar na área, fato que ajuda no crescimento profissional.



Pode-se trabalhar na rede pública (municipal e estadual) ou na rede privada de ensino, onde há diferenças gritantes (infelizmente) no salário e nas condições de serviço.

Além da vasta demanda, o horário é outro fator positivo na área, por ser bem flexível, possibilitando o profissional de trabalhar meio período ou ainda ter folga(s) durante a semana, pois vai de acordo com o quadro de horários de cada colégio e também da quantidade de horas trabalhadas semanais (15, 20, 40, enfim), que podem ser bem “quebradas” também.

Agora é fato que as dificuldades existem. E há muitas. Além de todo o descaso do governo e da sociedade com a profissão, do baixo salário (que varia muito de estado/município, mas em geral não é dos melhores) e da péssima estrutura de alguns colégios públicos, precisamos lidar com fatores externos, como famílias desestruturadas, alunos que vão para escola sem se alimentar, alunos sendo pais super cedo, falta de apoio e de acompanhamento de algumas famílias e, infelizmente, falta de educação por parte da maioria dos alunos.

Para ser professor é preciso ter paixão. É preciso compreender que os problemas que os alunos apresentam na escola muitas vezes são originados de fatores muito maiores, fruto de uma desigualdade social que berra no nosso país. É preciso entender também que a maioria dos alunos precisa de amor e de atenção. Que a falta de educação, na verdade, é um pedido de socorro. Que o desinteresse que eles apresentam é falta de fé e esperança na própria vida e que nós, que estamos diariamente com esses alunos, somos responsáveis por ajudá-los a construir um futuro melhor.

Gosto de comparar a profissão com uma rosa... apresenta diversos espinhos, mas, no fim, há um perfume, uma delicadeza e uma sensibilidade só dela, capaz de despertar sorrisos no rosto de alguém.
É importante considerar o ramo que se pretende seguir depois. Letras bacharelado é focado em escrita, produção e revisão textual. Letras licenciatura, apesar de ter matérias que abrangem a escrita também, é mais focado em desenvolver o estudante a se tornar professor. Mas, a certeza é: as duas opções são amplamente lindas e libertadoras.




fernanda amorim
Taurina com ascendente em touro. Intensa, sonhadora e teimosa. Formada em letras, professora de língua portuguesa, apaixonada pela vida e amante das palavras.

Comentários

Instagram