icones sociais

12 CLÁSSICOS QUE VALEM A PENA SER LIDOS


Quando falamos dos clássicos até o leitor mais assíduo revira os olhos, afinal, a gente meio que já conhece as histórias por acabar ouvindo falar delas ao longo da vida e vai perdendo a graça: seja na escola, no trabalho, na rodinha de amigos, nos filmes ou até mesmo em outros livros... Porém, há muito mais envolvido nessas histórias do que aquilo que acabamos detectando de forma rasa e, às vezes vale muito mais apena nos aprofundarmos nessas obras grandiosas de vez e podermos curtir a sensação maravilhosa que esses grandes autores deixaram para nosso bel prazer. Esse é o caso dos 12 livros que coloquei nessa listinha, mas há muitos outros para serem apreciados.


1. O Pequeno príncipe - Antoine de Saint-Exupéry
Escritor, ilustrador e também aviador francês, Antoine de Saint-Exupéry, publicou em 1943 nos EUA. Durante a Segunda Guerra Mundial o autor foi exilado para a América do Norte e em meio a turbulências pessoais e com sua saúde definhando produziu quase metade das obras das quais ele seria lembrado, usando suas experiências surgiu essa obra encantadora também ilustrada por ele.

2. A Volta ao Mundo em 80 Dias - Júlio Verne
Um romance de aventura lançado em 1873 que retrata a tentativa do cavalheiro inglês Phileas Fogg e seu valete, Passepartout, de dar a volta no mundo em 80 dias. É considerada, também, uma das maiores obras da literatura mundial, tendo inspirado várias adaptações ao cinema e ao teatro.

3. Os Miseráveis - Victor Hugo
Um romance francês publicado em 1862 que deu origem a muitas adaptações ao cinema e outras mídias, nele é descrito a vida das pessoas pobres de Paris, na França Provincial do século XIX, o autor se concentra no destino do condenado Jean Valijean. Expõe a filosofia política do autor, retratando a desigualdade social e a miséria decorrente e por um outro lado também o empreendedorismo e o trabalho desempenhando uma função benéfica para o indivíduo e para a sociedade.

4. Admirável Mundo Novo - Aldous Huxley
Um romance escrito em 1931 e publicado em 1932, a história se passa em Londres no ano 2540 (632 DF - "Depois de Ford" - no livro) e antecipa o desenvolvimento da tecnologia reprodutiva, hipnopedia, manipulação psicológica e condicionamento clássico que se combinam para mudar profundamente a sociedade. Está entre as melhores obras de todos os tempos.



5. Lolita - Vladimir Nabokov
Um romance escrito em 1955, notável por seu assunto controverso: o protagonista e narrador não confiável, o professor universitário de Literatura de meia-idade Humbert Humbert obcecado por Dolores Haze, de 12 anos, com quem ele se torna sexualmente envolvido após se tornar padrasto dela. Lolita é o apelido privado para Dolores. Sua assimilação na cultura popular é tal que o nome "Lolita" tem sido usado para sugerir que uma menina é sexualmente precoce.

6. As Viagens de Gulliver - Jonathan Swift
É um romance satírico publicado em 1726 e alterado em 1735. Nele a ilha fictícia Lilliput é parte de um arquipélago, juntamente com a a ilha de Blefuscu, no Oceano Índico, as duas são inimigas. Em Lilliput, o personagem principal depara-se com uma população de pessoas minúsculas, de cerca de 15 cm de altura, chamadas liliputeanos que o tomaram por gigante, então Gulliver é chamado assim e amarrado na beira de um rio.

7. Cem Anos de Solidão - Gabriel García Marques
Um romance colombiano publicado em 1967 e ganhador do Prêmio Nobel de Literatura em 1982, considerado uma das obras mais importantes da literatura latino-americana. Utilizando o estilo conhecido como realismo mágico e romance histórico conta a história de uma aldeia fictícia e remota na América Latina, Macondo, fundada pela família Buendía. O enredo se desenrola ao redor dessa família e seus segredos.

8. Mrs. Dalloway - Virginia Woolf
Um romance histórico publicado em 1925 que narra um dia na vida de Clarissa Dalloway, uma socialite que vive na Inglaterra pós Primeira Guerra Mundial. Criado a partir de dois contos o romance mostra as preparações da personagem para uma festa que ela hospedará naquela noite com uma perspectiva interior, a história se passa pelo futuro e pelo passado no tempo e dentro e fora da menta dos personagens para construir uma imagem da vida de Clarissa e de sua estrutura social entreguerras.


9. Alice no País das Maravilhas - Lewis Carroll
Um clássico da literatura infantil publicado em 1865 que conta a história de uma menina chamada Alice que cai na toca de um coelho e é transportada para um lugar fantástico povoado por criaturas peculiares e antropomórficas, revelando uma lógica do absurdo, característica dos sonhos. Repleto de alusões satíricas dirigidas tanto a amigos quanto a inimigos do autor, de paródias e poemas populares infantis ingleses e também de referências linguísticas e matemáticas frequentes através de enigmas que contribuíram para a sua popularidade. Uma obra de difícil interpretação, pois contém dois livros num só texto: um para crianças e outro para adultos.

10. Orgulho e Preconceito - Jane Austen
Romance britânico publicado em 1813 em que a história mostra a maneira como a personagem Elizabet Bennet lida com os problemas relacionados à educação, cultura, moral e casamento na sociedade aristocrática do início do século XIX, na Inglaterra. Elizabeth é a segunda de 5 filhas de um proprietário rural na cidade de Meryton.

11. Moby Dick - Herman Melville
Um romance estadunidense publicado em 3 fascículos em 1851. Conta a história de um cachalote (grande animal marinho) de cor branca que foi perseguido e mesmo ferido várias vezes por baleeiros conseguiu se defender e destruí-los. Com aventuras narradas por Ishmael junto ao Capitão Ahab e o primeiro imediato Starbuck à bordo do baleeiro Pequod. O livro foi revolucionário na época com descrições intrincadas e imaginativas do personagem-narrador, suas reflexões pessoais e grandes trechos de não-ficção sobre vários assuntos. Foi inspirado no naufrágio do navio Essex, comandado pelo capitão George Pollard que perseguiu teimosamente uma baleia e ao tentar destruí-la, afundou.

12. A Metamorfose - Franz Kafka
Uma novela publicada em 1915, escrita em 1912 e concluída em 20 dias. O texto coloca o leitor diante de um caixeiro-viajante, Gregor Samsa, transformado em um inseto monstruoso. A partir daí a história é narrada com um realismo inesperado que associa o inverossímil e o humor trágico, grotesco e cruel da condição humana. Tudo isso no estilo transparente e perfeito de Kafka, inconfundível na ficção universal.


Há muitas versões de todos os clássicos, cada uma com suas particularidades e adaptações para os leitores. Há versões atuais ou mais antigas, resumidas e até explicadas, basta achar seu jeito de consumir essas e outras grandes obras clássicas, pois digo, valem muito a pena.



gabrielle roveda
1997. Escritora de gaveta, bailarina por paixão e sonhadora sem os pés no chão. Do tipo que vive mais de mil histórias pelas páginas dos livros, daquelas que quer viajar o mundo só com uma mochila nas costas, do tipo que acredita no amor a todo custo e dispensa de imediato pessoas sem riso fácil. Não sabe fazer nada direito, mas insiste em acreditar que o impossível é só uma daquelas palavras que vão cair em desuso e se vê tentada a tentar de tudo. Viciada em café e em escrever cafonices sobre si e o amor sem dizer nada ao certo. 

Comentários

Instagram