icones sociais

CONEXÃO DE AMOR SEM FIO

escrito por Gabrielle Roveda
Descobri o problema que rondava a rede: você.

Invasor como um vírus, você burlou o sistema e se fez presente aqui sem convite algum. Saiba que não é nada cortês da sua parte ter uma atitude dessas.

Gerou alguns erros e desconexões imediatas, meu pensamento não estava mais acostumado com a sua presença, não dá para chegar assim e querer que as coisas continuem completamente equilibradas. Foi complicado, fiquei sem conexão alguma até te encontrar perdido nas sinapses do meu cotidiano ansioso.

Mas, você não deu bola para isso, deu? Você quis mesmo é causar embaraço. Chegar chegando com esse sorriso barbado repleto de malícia estampado na droga do teu rosto desgraçado de bonito... quis fazer carnaval fora de época em mim, armar folia sem hora para acabar e não se prestou nem para avisar com antecedência...

Pois saiba que não vou arrumar essa bagunça toda que o seu furacão de recordações me trouxe! Por essa eu sei que você não esperava, confessa, vai! A verdade mesmo é que não quero ter lembranças suas para me atormentar, tenho rinite alérgica a passado parado. Nem vou remexer nessa nostalgia toda, não quero chegar perto.

Ok, talvez não seja bem assim. Sabe como é...

É que é impossível não sorrir ao ter o teu sorriso estampado no balãozinho do meu pensamento, é tão, mas tão bonito que museu nenhum guarda tesouro tão grandioso quanto teu riso torto.

E esse teu brilho no olhar, de homem maduro que não quer crescer, continua o mesmo de quando ainda era só um menino coberto de sonhos, aqueles que você dividiu comigo entre cafunés e beijinhos. Tem coisas que mesmo querendo deixar para lá você não abandonou.

É bonito lembrar de você, lembrar do que já fomos um dia. Por isso não queria remexer na bagunça, eu sempre vou além quando se trata da gente. Nunca enxergo a boia que delimita a parte mais funda do nosso silencioso oceano particular.

Talvez essa rebelião de lembranças que foram jogadas no meu sistema não sejam o acaso vindo bater à porta e essa desordem seja uma nova ordem para os meus dias futuros.

Talvez haja uma conexão em tudo isso. Não digo na junção dos fatos, mas em mim e em você.

Talvez nosso amor só funcione assim, como rede sem fio.

Distantes, mas conectados da mesma forma.



gabrielle roveda
1997. Escritora de gaveta, bailarina por paixão e sonhadora sem os pés no chão. Do tipo que vive mais de mil histórias pelas páginas dos livros, daquelas que quer viajar o mundo só com uma mochila nas costas, do tipo que acredita no amor a todo custo e dispensa de imediato pessoas sem riso fácil. Não sabe fazer nada direito, mas insiste em acreditar que o impossível é só uma daquelas palavras que vão cair em desuso e se vê tentada a tentar de tudo. Viciada em café e em escrever cafonices sobre si e o amor sem dizer nada ao certo. 

Comentários

Instagram